• +55 19 3253-5737

Certidões de regularidade fiscal não são requisito antes de 2014

Sexta-feira, 14 de julho de 2017

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou recurso da Fazenda Nacional que buscava anular o deferimento de uma recuperação judicial devido à ausência de certidões de regularidade fiscal da empresa.
Para a relatora do recurso, ministra Nancy Andrighi, até a edição da Lei 13.043 em 2014 não é possível fazer tal exigência. A Lei 13.043 deu nova redação ao artigo 10-A da Lei 10.522 e especificou como seriam o parcelamento de débitos e a apresentação de certidões no momento anterior à recuperação judicial. No caso julgado, a recuperação foi deferida em 2013 – antes, portando, da alteração.
Embora a legislação anterior a 2014 mencionasse a necessidade de certidões, na prática, segundo a relatora, tal exigência era inviável. Nancy Andrighi afirmou que não há espaço para uma interpretação literal e restrita da legislação vigente à época, e é necessário refletir sobre a finalidade do instituto da recuperação judicial, o que leva à conclusão pela dispensa das certidões.
“Em síntese, não seria exigível do devedor tributário, que pretende a recuperação judicial, a apresentação de certidões de regularidade fiscal quando ausente legislação específica que discipline o regime do parcelamento tributário em sede de recuperação”, explicou a ministra, citando precedente da Corte Especial do STJ anterior à lei.
A Fazenda alegou que o deferimento da recuperação violou os artigos 57 da Lei 11.101/05 (Lei de Recuperação e Falência) e 191-A do Código Tributário Nacional (CTN), que preveem a apresentação de certidões negativas. Segundo a Fazenda, a regularidade fiscal seria pré-requisito para o deferimento da recuperação mesmo antes da alteração legislativa, por ser uma decorrência lógica do processo.
Apesar desses argumentos, a ministra lembrou que a Corte Especial do STJ decidiu que não constitui ônus do contribuinte apresentar certidões de regularidade fiscal para que seja concedida a recuperação, já que antes da regulamentação feita em 2014 não é possível exigir do contribuinte algo que não era regulamentado.
A mudança legislativa de 2014 foi trazida como argumento pela Fazenda somente no STJ, não havendo prequestionamento do assunto na corte de origem. A ministra destacou que não é possível analisar esse ponto, já que seria indevida supressão de instância.
(Fonte: DCI)


VÍDEOS

NOVA MARCA AYUSO CONTABILIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE NAS EMPRESAS

NOTÍCIAS

Campinas fecha 2017 com abertura de vagas na indústria pela 1ª vez em seis anos

Campinas fecha 2017 com abertura de vagas na indústria pela 1ª vez em seis anos A região de...

Publicadas novas regras para a Rais 2017; entrega começa dia 23 de janeiro

Portaria do Ministério do Trabalho publicada na última semana no Diário Oficial da União fixa...

Micro e pequenas empresas do Estado de São Paulo faturam 2,2% mais em novembro

O faturamento das micro e pequenas empresas (MPEs) do Estado de São Paulo aumentou 2,2% em...

Problema na emissão da Nota Fiscal Eletrônica deixa na mão empresários de Campinas

Uma falha no sistema de emissão da Nota Fiscal Eletrônica de Campinas tem atrapalhado a vida de...